quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Após protesto de empresário, DER faz tapa-buracos na PR-436

Após protesto de empresário, DER faz tapa-buracos na PR-436
Crédito da foto Para Fotos: Divulgação
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Com criatividade e disposição, o empresário Edmar Iglecias, 45 anos, resolveu tomar uma atitude prática com relação ao excesso de buracos que existem no trecho de 25 quilômetros da PR-436, que liga Abatiá a Bandeirantes. No início de dezembro, ele aproveitou o feriado municipal da cidade e junto com um funcionário percorreu, durante três horas, o trecho citado, contornando de tinta amarela de marcação mais de 50 buracos encontrados pelo caminho. “Alguns buracos chegam a ter 4 metros de cumprimento e até 20 centímetros de profundidade. É bastante comum ocorrer estouros de pneus e isso reforça o risco de acidentes, principalmente para as pessoas que andam de moto”, destaca Iglesias, que costuma viajar para Bandeirantes, em média três vezes por semana, de carro, van ou ônibus. 
 
A iniciativa repercutiu bastante na região após ele publicar algumas fotos no Facebook, sendo solicitado para dar entrevistas nas rádios e jornais locais. “Algumas pessoas disseram que eu estava fazendo isso para ‘me aparecer’ ou que haveria alguma intenção política nisso, mas não tem nada a ver. Foi uma forma de protesto, mas com a intenção de ajudar a prevenir acidentes. No final do ano passado, cheguei a fazer algo parecido para sinalizar os buracos para alguns parentes de São Paulo que estavam se programando para vir para cá. Como os buracos só aumentaram, resolvi fazer de novo”, conta o empresário, que tem uma loja de autopeças e também é despachante. “O movimento nesse trecho é muito grande”, acrescenta. 
 
Para amenizar o problema, uma operação tapa-buracos foi realizada recentemente pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER) do Paraná no trecho crítico e Iglecias acredita que a sua ação pode ter ajudado, de certa forma, a agilizar a medida de recuperação. “Taparam os buracos de forma bastante superficial, com brita e piche. No momento está sob controle, mas acho que em uma próxima chuva forte, o problema vai voltar. O ideal é que fosse feito um recapeamento completo do asfalto e estou pensando em organizar um abaixo-assinado, no ano que vem, para solicitar isso, envolvendo os moradores de Abatiá, Santa Amélia e Bandeirantes”, adianta. 
 
Segundo informações da assessoria de imprensa do DER, em Curitiba, está previsto a partir de abril de 2016 a aplicação de um novo sistema de recuperação das estradas em algumas rodovias paranaenses, inclusive na PR-436, entre Abatiá e Bandeirantes. O novo modelo, considerado mais duradouro e denominado de fresagem descontínua do pavimento, inclui a colocação de microrrevestimento e nivelamento de forma mais profunda, que ocasionaria uma vida útil de dez anos à estrada. 
 
A assessoria ainda informa que o atraso das operações de tapa-buracos na região, retomado a partir de abril deste ano, foi devido ao ajuste fiscal praticado no ano vigente. Fuga de pedágios – que ocasionaria o tráfego de caminhões pesados na região -, frequência atípica de chuvas e maior volume de carros no final de ano também foram apontados como fatores que prejudicariam a manutenção do trecho citado.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Ana Paula Nascimento Folha de Londrina

Notícias Relacionadas

Comentar: Após protesto de empresário, DER faz tapa-buracos na PR-436

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125