Monday, 21 de September de 2020

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Menina de 2 anos sai do Hospital de Clínicas pela primeira vez desde que nasceu

Menina de 2 anos sai do Hospital de Clínicas pela primeira vez desde que nasceu
Photo Credit To Letícia de Souza Iagnes com a equipe que cuidou dela (foto: Valquir Aureliano)
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Letícia de Souza Iagnes é um bebê que está com 2,6 anos de idade, mas desde o seu nascimento, permanece o tempo todo internada na UTI – Neonatal do Complexo Hospital de Clínicas (CHC) da UFPR. Ela nasceu em 2013, com a Síndrome de Jarcho Levin, considerada um distúrbio raro que apresenta várias anomalias vertebrais e costais que causa insuficiência respiratória e pneumonia. Mas nesta segunda-feira (4), ela finalmente vai para casa.

“A má formação na coluna vertebral e as alterações nos arcos costais é que causam a restrição pulmonar”, explica Daniela Scmidtke, uma das médicas que acompanha a pequena Letícia desde o seu nascimento. Devido a síndrome, Letícia tem que ficar ligada a um aparelho respiratório para ter ventilação mecânica 24 horas por dia. “Até o momento, não tinham ainda conseguido um aparelho que se adequasse ao caso dela para poder ir para casa”, contou a fisioterapeuta Maria Aparecida Basilo.

Na UTI – Neonatal do CHC, as equipes que a acompanham, diariamente, entre elas enfermeiros, residentes, médicos e fisioterapeutas, estão todos na expectativa, pois, a partir de segunda–feira, a companheira diária irá para a casa.”Todos os dias, antes de iniciar as atividades, seja em qualquer lugar fosse, eu tinha que passar por aqui para dar bom dia à Letícia”, conta emocionada Karize Novakoski, residente de fisioterapia.

A enfermeira Solange Aparecida de Carvalho Siciliano, que trabalha no Hospital há 21 anos, disse que “as crianças sempre ficam por aqui, por no máximo 4 meses”. Um caso como este de permanecer na UTI, por este tempo, é muito raro. Com isso, “a aproximação maior, por mais tempo com a criança, humanizou todo o grupo”, contou Solange.

“Estou muito feliz e já estou arrumando o quartinho para receber a Letícia”, conta ansiosa Bruna Martins de Souza, a mãe, que está na expectativa de ter a filha pela primeira vez em casa.

“Nossa pequena miss Sunshine, enfim, vai para casa”, falou Solange com lágrima nos olhos, lembrando que os dois anos de vida da criança foram muito comemorados na UTI – Neonatal.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Post source : Bem Paraná

Related posts

Comentar: Menina de 2 anos sai do Hospital de Clínicas pela primeira vez desde que nasceu

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

WhatsApp 596