quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Moradores descobrem falta de projeto em bairro‏

Moradores descobrem falta de projeto em bairro‏
Crédito da foto Para Marcos Junior
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

O morador Edmar Faria chega a sua casa no bairro CTG em Carlópolis perto das 17h30 todos os dias depois de um trabalho árduo na roça. Mas fica com medo de ligar o chuveiro para tomar um banho para relaxar devido à energia elétrica do local não aguentar o número de equipamentos ligados. Esta é a situação de dezenas de famílias que moram próximos.
“Já estou ali há quatro anos e cada vez está mais complicada. É muito comum ver faíscas saindo dos dois disjuntores que estão instalados ali”, argumenta Edmar Faria. A situação se torna mais tensa pelo fato do local ser uma área de invasão há muitos anos atrás.
Os moradores lotaram as dependências da Câmara Municipal de Carlópolis na noite de terça-feira, 5, para pedir auxílio dos vereadores na solução da situação. Após a sessão ordinária, o Presidente da Casa de Leis Humberto Benedito Domingues abriu um diálogo com as pessoas presentes.

“Quero que tenham misericórdia por aquelas famílias. Pois vivemos numa situação absurda. Não estamos tendo falta de respeito com ninguém. Apenas queremos ter um local digno para morar”, desabafa Marli Aparecida de Souza durante a sessão.
Durante a sessão entrou em leitura um projeto de reajuste no valor da diária do Chefe do Executivo, sendo o valor de R$ 450 para a estadia na capital paranaense. Durante a conversa após a sessão ordinária o morador Marcelo Carlos Francisco demonstrou que cada disjuntor tem a fatura de energia elétrica de aproximadamente R$ 5 mil. “Vocês leram hoje que o prefeito vai para Curitiba e gasta 10% da conta de luz de 40 famílias durante um mês. Não é justo isso não”, enfatiza o morador.

A troca de informações sobre a situação durou mais de uma hora. Onde foi destacado pelos moradores que o local não possui escritura e nem matrícula. Eles ainda destacam que cada órgão (Prefeitura, COPEL e Instituto Ambiental do Paraná) espera a resposta do outro.
A comunidade também argumentou que durante as idas aos órgãos públicos que existe um projeto que estava sendo protocolado no IAP para ser registrado como Zona Especial de Interesse Social.
Na prefeitura

Além do Presidente da Câmara Municipal, os vereadores Ivete Cuenca Machado, Jorge Luis Damin e Rafaela Carriel propuseram acompanhar os interessados até o setor de Planejamento da Prefeitura Municipal na manhã desta quarta-feira, 6.
A comitiva foi recebida pelos engenheiros Guilherme e Anderson que destacaram desconhecer sobre algum projeto naquele setor. “Não existe nenhum projeto protocolado aqui na Prefeitura. Só feito um esboço há um tempo, mas nada de concreto”, enfatizou o engenheiro Guilherme.
O vereador Damin desde a conversa na noite anterior afirmava que não existia projeto algum protocolado. “Se tivesse realmente já estaria sendo feito”, enfatiza. Para Ivete Cuenca é necessário que seja vista a situação com atenção pela Administração Municipal para atender as 80 famílias.
Para a vereadora Rafael Carriel afirmou que a Câmara Municipal está à disposição para auxiliar os moradores nesta situação. Os representantes do bairro CTG iriam tentar marcar uma reunião com o prefeito Marcos Antônio David para saber sobre a possibilidade real da criação da Zona Especial de Interesse Social.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Marcos Junior

Notícias Relacionadas

Comentar: Moradores descobrem falta de projeto em bairro‏

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125