quarta-feira, 25 de Abril de 2018

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Paraná é o campeão nacional em acidentes com aranha marrom

Paraná é o campeão nacional em acidentes com aranha marrom
Crédito da foto Para Imagem Ilustrativa google imagens
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

O Paraná é a terra da aranha marrom. Segundo dados do Ministério da Saúde, entre 2007 e 2015 o Estado registrou 42.398 casos envolvendo a loxosceles. O segundo estado com mais ocorrência, e muito atrás do Paraná, é Santa Catarina, que no mesmo período notificou 15.508 incidentes. Além disso, os casos paranaenses representam 60,5% do total de notificações em todo o território nacional (70.039).
Segundo dados da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), entre janeiro e a metade de março deste ano o Paraná aregistrou 323 casos envolvendo aranha marrom, ou seja, uma média de nove ocorrências por dia. Embora alarmante, o número aponta queda na comparação com o ano anterior. Em 2015 (ano completo) foram 4.226 casos, com cerca de 12 ocorrências por dia, enquanto em 2014 foram 1,81% a menos — 4.151 casos, ou 11 ocorrência/dia.
E se o Paraná é a terra da aranha marrom, Curitiba é a capital do aracnídeo. Entre janeiro e março deste ano foram registrados 220 casos de pessoas picadas pelo loxosceles, o que dá uma média quase três ocorrências por dia. Na comparação com o mesmo período de 2015, no entanto, nota-se novamente uma queda, desta vez de 19,7% nas ocorrências: ano ano passado, foram 274 ocorrências no mesmo período, o que representa aproximadamente três ocorrências por dia.
A preocupação com a aranha deve ser o ano todo, no calor e no frio. Em dias de temperaturas mais elevadas e, especialmente, no período da noite que a aranha marrom costuma caçar. Mas, não importa a estação, ela se esconder em roupas, toalhas, roupas de cama e calçados. Por isso, é preciso sempre prestar muita atenção antes de se vestir e limpar frequentemente lugares onde o aracnídeo pode se esconder, a fim de evitar que crie um esconderijo.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Bem Paraná

Notícias Relacionadas

Comentar: Paraná é o campeão nacional em acidentes com aranha marrom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125