terça-feira, 7 de Abril de 2020

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

‘Ele teria sido um pianista excelente’, diz Jô Soares sobre filho autista

‘Ele teria sido um pianista excelente’, diz Jô Soares sobre filho autista
Crédito da foto Para (Foto: Divulgação/TV Globo)
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Com nome e cenário novos, o programa entra em uma nova fase sob o comando de Marcelo Tas, 60, que conversará com Jô sobre questões como sua sexualidade, política e planos para sua carreira -dentre eles, seu novo projeto teatral, “Gaslight”. A obra, cuja adaptação mais popular é o filme de 1944, deu origem ao termo “gaslighting”, tipo de abuso psicológico em que a vítima passa a questionar a própria sanidade.

Jô ainda revela detalhes sobre sua relação com o filho Rafael, que tinha autismo, falecido em 2014. Sobre Teresa Austregésilo, mãe de Rafael, ele diz: “Temos uma ligação muito forte, inclusive através de um filho excepcional, que foi o Rafinha. Ele era surpreendente. Ele era um autista que encanava em você e se abria, você via dentro dele, e depois se fechava novamente. Ele teria sido um pianista excelente, ele tinha ouvido absoluta, lia música como quem lia papel.”

“Era muito difícil. Quando eu saía com o Rafa era uma coisa surpreendente, porque ele queria sair comigo, e a gente tinha experiências únicas. Jogo de futebol, ele não aguentava muito por causa da torcida. [Ele falava:] ‘A torcida tá errada, está em Si e Si bemol, não pode.’ Ficava tapando o ouvido… Sabe?”, completa o escritor, dramaturgo, diretor teatral, ator e músico.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Folhapress

Notícias Relacionadas

Comentar: ‘Ele teria sido um pianista excelente’, diz Jô Soares sobre filho autista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596