quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Morre Henry Sobel, 75, rabino símbolo da defesa dos direitos humanos no Brasil

Morre Henry Sobel, 75, rabino símbolo da defesa dos direitos humanos no Brasil
Crédito da foto Para Henry Sobel – Reprodução TV Cultura
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Morreu na manhã desta sexta-feira (22), em Miami, o rabino Henry Sobel, 75. Segundo sua assessoria, ele não resistiu a complicações associadas a um câncer no pulmão. O sepultamento será neste domingo (24), em Nova York. Ele deixa a esposa e uma filha.

Rabino emérito da Congregação Israelita Paulista (CIP), Sobel teve forte atuação na defesa dos direitos humanos no Brasil. Quando o jornalista Vladimir Herzog foi assassinado, em 25 de outubro de 1975, o jovem rabino Sobel não engoliu a versão oficial da ditadura.

Enfrentando pressões, realizou o enterro do jornalista no centro do cemitério, se recusando a aceitar a alegação de suicídio -o que, segundo a religião judaica, o levaria a fazer o sepultamento nas margens do lugar.

Dias depois, Sobel liderou, junto com d. Paulo Evaristo Arns, então arcebispo de São Paulo, e Jaime Wright, pastor presbiteriano, o célebre ato ecumênico em homenagem a Herzog. A catedral da Sé ficou lotada e uma multidão tomou conta da praça, num silencioso e contundente protesto contra a ditadura.

Sobel também ficou marcado pelo episódio das gravatas -quando, em 2007, foi detido por causa do furto numa loja nos EUA. “Trinta e sete anos e puf! Fiz o impensável”, desabafou, trêmulo, em um filme sobre a sua trajetória lançado em 2014.

À época, sofrendo de depressão e confuso com a medicação, o rabino encarou o precipício: foi afastado da direção da Congregação Israelita Paulista e passou a ser execrado e ridicularizado.

Segundo um dos depoimento no filme, setores conservadores do judaísmo, sempre insatisfeitos com a atuação aguerrida de Sobel, aproveitaram o episódio para tirá-lo de cena.

O rabino trocou São Paulo por Miami em 2013, após ter passado quase quatro décadas no país.

AUTOBIOGRAFIA

Em sua autobiografia “Um Homem. Um Rabino”, de 2008, Sobel aborda principalmente suas relações com a família, a religião e a política. Dedica um considerável espaço ao seu envolvimento “na luta contra a ditadura militar”, com um certo tom heroico.

Num capítulo intitulado “Vladimir Herzog”, Sobel lembra que se recusou a enterrar o jornalista judeu como “suicida” -causa mortis divulgada oficialmente pela repressão-, já que o israelita que se mata é segregado no cemitério.

O rabino relata o diálogo que teve com “um funcionário” da CIP: quando o rapaz citou sinais de tortura no corpo de Herzog, Sobel disse: “Então não vamos enterrá-lo como suicida”. E o “funcionário”: “O sr. tem certeza rabino?” E Sobel: “Total. Se alguém perguntar, diga que é um pedido do rabino Sobel”.

Mais adiante, ao escrever sobre “a mídia e o poder”, ele afirma: “A verdade é que, a partir do caso Vladimir Herzog, ganhei uma projeção na mídia que jamais imaginara ao desembarcar no Brasil. O que, é claro, nunca havia sido meu objetivo: o engajamento obedeceu a um dever de consciência, a convicções religiosas e humanistas. Porém, o fato é que eu me tornara um judeu conhecido nacionalmente”.

CELEBRIDADE

Figura notória por aparecer em publicações que vão desde as revistas da comunidade judaica até a “Caras”, Sobel reservou um capítulo de sua autobiografia para os “chiques e não-famosos”.

Ali, deixando transparecer um certo deslumbramento com a alta sociedade, cita as bênçãos que concedeu a casais “mistos” (de religiões diferentes), como Marta Suplicy e Luis Favre; Thereza Collor e Gustavo Halbreich; John Neschling e Patrícia Melo.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Folhapress

Notícias Relacionadas

Comentar: Morre Henry Sobel, 75, rabino símbolo da defesa dos direitos humanos no Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596