terça-feira, 13 de novembro de 2018

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Naiara Azevedo fala da época em que morava no Paraná e trazia mercadorias do Paraguai

Naiara Azevedo fala da época em que morava no Paraná e trazia mercadorias do Paraguai
Crédito da foto Para Naiara Azevedo no program de Danilo Gentili
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

A cantora Naiara Azevedo relembrou o período em que trazia mercadorias do Paraguai antes de se tornar uma cantora conhecida em entrevista ao The Noite da última quinta-feira, 1º.

“Muamba é o que eu trazia, o que eu fazia da vida. Porque eu morava em Umuarama, no Paraná, a uns 120 quilômetros de Guaíra. E lá, meu amor…”, contou.

Questionada pelo apresentador Danilo Gentili sobre “que tipo de muamba” trazia, explicou: “Naquela época eu trazia muita bebida, perfume. Uíscão… Eu lembro que a gente pagava 27, 30 reais no Red [Label].”

 “Eu não bebo mais uísque, hoje não gosto mais de bebida destilada, devido a essa época, bebi demais”, garantiu.

Naiara afirma que nunca teve suas mercadorias apreendidas no caminho de volta, mas que uma de suas amigas não teve a mesma sorte.

“Paravam muito, na fronteira. Coisas minhas nunca pegaram, porque nunca trouxe em grande quantidade, trazia mais essas coisas mais supérfluas, mesmo. Mas uma amiga minha uma vez foi mobiliar o escritório dela, a gente foi e trouxe frigobar, geladeira, várias coisas no carro dela. Ficou tudo lá.”

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Estadão Conteúdo

Notícias Relacionadas

Comentar: Naiara Azevedo fala da época em que morava no Paraná e trazia mercadorias do Paraguai

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596