Wednesday, 14 de April de 2021

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Grupo pela volta às aulas reúne 22 mil assinaturas e entrega ao Governo do Paraná

Grupo pela volta às aulas reúne 22 mil assinaturas e entrega ao Governo do Paraná
Photo Credit To (Foto: AEN)
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

O Movimento “Volta as Aulas Paraná”, criado por pais de alunos de escolas públicas e privadas, entrega as autoridades do Governo do Estado, nesta quinta-feira (4), um abaixo-assinado com quase 22 mil assinaturas de pais, que pedem o retorno imediato das aulas presenciais nas instituições de ensino. Decreto estadual feito na última quinta-feira suspendeu as aulas até o próximo dia 8 nas redes municipais e privada e suspendeu o início das atividades na estadual.

O contador Fernando Sales, um dos criadores do movimento, explica que as assinaturas foram colhidas em todo o estado. “Em torno de 60% das assinaturas são de curitibanos. Todos os países retornaram as aulas presencias, apenas o Brasil não, ficando por mais tempo com as crianças sem poder estudar”, explicou à Banda B.

Segundo Sales, um levantamento feito pelo movimento aponta que a paralisação dos estudos presenciais não ajudou a diminuir ou aumentar o contágio da covid-19. “Os casos nas escolas são de profissionais adultos que pegaram a covid em casa. Além de tudo isso, os profissionais de saúde vem sendo prejudicados, porque não têm onde deixar os filhos”, ponderou.

Por fim, ele reclamou o fato do Governo do Paraná não ter editado o decreto que coloca o ensino como atividades essencial. “De repente tudo foi minado, a lei não foi publicada e a educação suspensa sem data para retorno”, concluiu.

Sem UTIs

O decreto estadual que suspendeu as aulas por uma semana e determinou o fechamento de serviços não essenciais se dá pela falta de leitos de UTI para a covid-19 no Paraná. Só neste domingo eram 300 pacientes na espera por uma vaga. O governo justificativa que neste momento o lockdown se faz necessário para que não se tenha um colapso ainda maior do sistema de saúde e, assim, vidas possam ser salvas.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Post source : Luiz Henrique de Oliveira e Djalma Malaquias Banda B

Related posts

Comentar: Grupo pela volta às aulas reúne 22 mil assinaturas e entrega ao Governo do Paraná

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

WhatsApp 596