quinta-feira, 18 de julho de 2019

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Ministério da Saúde poderá adotar tecnologia da Forrest

Ministério da Saúde poderá adotar tecnologia da Forrest
Crédito da foto Para Divulgação
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

O Ministério da Saúde mostra-se interessado em adquirir a tecnologia de controle biológico do mosquito Aedes aegypti desenvolvido pela empresa Forrest Innovations, transmissor do vírus que causa a dengue, chikungunya, entre outras doenças e que tem se tornado fora de controle em vários estados brasileiros.

A tecnologia desenvolvida pela empresa de origem israelense foi apresentada ao Ministro da Saúde (MS), Luiz Henrique Mandetta pelo CEO da empresa, o cientista Nitzan Paldi, que participou de audiência semana passada em Brasília, acompanhado da esposa e diretora, Elaine Paldi, do prefeito de Jacarezinho e seu secretário da Saúde, Sérgio Faria e Marcelo Nascimento, acompanhados do ex-deputado federal Abelardo Lupion.

Continua depois da publicidade

Além do ministro, o encontro foi acompanhado pelo coordenador de Vigilância em Arboviroses do Setor de Saúde Vetorial Vegetal Ambiental do MS, Rodrigo Said, setor da Pasta que cuida das políticas de saúde voltadas justamente ao foco de pesquisa desenvolvido pela Forrest no estado em parceria com o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar).

Mandetta ficou impressionado com os resultados dos experimentos realizados pela Forrest em Jacarezinho, comprovando que a tecnologia desenvolvida reduz em até 90% a infestação do mosquito. Por esta razão, técnicos do MS virão ao Norte Pioneiro para acompanhar in loco o desenvolvimento dos trabalhos, principalmente agora que será realizada a soltura de mosquitos estéreis em todo o território do perímetro urbano do município.

Tecnologia

A tecnologia desenvolvida pelo cientista Nitzan Paldi, da Forrest Innovations, consistiu na soltura de machos estéreis nas áreas selecionadas para o tratamento (bairros Aeroporto, Novo Aeroporto e Vila Leão). Foi constatada a redução de 90% da população do Aedes aegypti – mosquito causador da dengue, febre amarela urbana, zika e chikungunya. A primeira soltura liberou cerca de 50 mil insetos.

Nitzan Paldi destaca que a técnica desenvolvida pela Forrest Innovations, é baseada na criação massiva de machos estéreis para serem soltos na natureza. Quando uma fêmea silvestre copula com um macho estéril ela não gera descendentes, diminuindo assim a proliferação desses mosquitos.

O mosquito macho se alimenta apenas de seiva de plantas e, portanto, não pica e não oferece nenhum risco para a população. São as fêmeas que transmitem as doenças porque, além de consumirem seiva, precisam de sangue para completar o processo de maturação dos ovos e fazer a postura.

A dengue no Brasil

Os casos de Dengue registrados no Brasil mais que dobraram em relação ao mesmo período de 2018. São cerca de 1,2 milhão de infectados com registro 366 mortes até o último 10 de junto, quando no ano passado foram139 mortes.

A incidência, considerando o número de casos em relação com o número de habitantes, está em 540,7 casos/100 mil habitantes. As regiões Sudeste e Centro-Oeste são às que tem os maiores índices, sendo 920,5 casos/100 mil habitantes e 908,7 casos/100 mil, respectivamente. Minas Gerais e Goiás lideram o ranking.

Até 8 de junho, os números de casos da chikungunya aumentaram 25%, com 15 mortes registradas, enquanto no ano passado foram apenas cinco. No mesmo período, foram 6,53 mil casos prováveis registrados sem nenhuma morte confirmada.

Otimismo

O prefeito de Jacarezinho Sérgio Faria, anuncia a abertura de um edital de credenciamento para contratação de empresa para executar o controle do mosquito no município. Ele destaca o trabalho da Forrest, assinalando que a empresa está conseguindo sensibilizar a população. “O profissionalismo da Forrest faz a comunidade assimilar a relevância do trabalho e, inclusive, colaborar com ele. Jacarezinho é o município que mais preocupa a Secretaria de Saúde do Estado do Paraná com relação à dengue, pois registramos um alto índice do Aedes.”

Quem é a Forrest

A Forrest Innovations é uma empresa multinacional de biotecnologia avançada, que utiliza suas plataformas tecnológicas para combater dois grandes desafios enfrentados pela humanidade. O primeiro envolve o controle de mosquitos transmissores de doenças. Estes insetos são capazes de debilitar milhões de pessoas em todo o mundo e matam, indiretamente, mais crianças do que qualquer outra causa conhecida!

O segundo grande desafio está voltado para a área da agricultura, mais especificamente, para uma moléstia conhecida no Brasil como Doença do Dragão Amarelo, ou “Citrus Greening”. Essa é uma doença bacteriana devastadora que está causando estragos significativos nas principais regiões produtoras de citrus do mundo. Nos Estados Unidos, por exemplo, esta doença está visivelmente arruinando a indústria de suco de laranja da Flórida.

A Forrest conta com uma equipe multidisciplinar altamente qualificada, dedicada e experiente, a qual criou uma plataforma inovadora para gerenciar todos os aspectos da criação de novos produtos, desde a Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) até ao produto final aprovado pelos órgãos reguladores.

O interessado em adquirir a tecnologia de controle biológico do mosquito Aedes aegypti desenvolvido pela empresa Forrest Innovations, transmissor do vírus que causa a dengue, chikungunya, entre outras doenças e que tem se tonado fora de controle em vários estados brasileiros.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Tribuna do Vale

Notícias Relacionadas

Comentar: Ministério da Saúde poderá adotar tecnologia da Forrest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596