terça-feira, 21 de novembro de 2017

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

‘Perdi meu emprego de 21 anos por postar uma foto no Facebook’

‘Perdi meu emprego de 21 anos por postar uma foto no Facebook’
Crédito da foto Para Rachel Burns foi demitida por postar uma foto no Facebook, após 21 anos de dedicação a um abrigo de idosos (Foto: Reprodução)
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Quando Rachel Burns postou, no Facebook, uma foto de uma festa ocorrida no trabalho, ela não tinha a menor ideia de que isso acabaria com a sua carreira. O repórter da BBC Laurence Grissellacompanhou a história de Rachel ao longo de um ano.

“Eu amava o meu trabalho. É a minha vocação. Eu amo cuidar das pessoas”, diz Rachel. Por 21 anos, até dezembro de 2015, ela trabalhou no Park Hall, abrigo para idosos e adultos vulneráveis em Reigate, Surrey.

Ela começou lá como cuidadora assistente e foi subindo de posição. Nos últimos dois anos, atuou como gerente.
“Sempre havia atividades acontecendo. Eu queria que os residentes tivessem uma qualidade de vida decente.”

Uma das atividades organizadas por Rachel para os moradores do Park Hall era a noite musical, que ocorria toda sexta-feira. “Nós colocávamos flores nas mesas”, diz Rachel. “Os residentes se arrumavam e tínhamos um jantar diferente toda semana.”

Como uma apaixonada cantora amadora, Rachel se apresentava nas noites musicais, cantando de Roberta Flack a Nina Simone e Boney M. “Os funcionários se levantavam para dançar com os residentes. Você podia ver o sorriso no rosto deles. Era uma coisa bonita de se ver.”

Numa sexta-feira, Rachel voltou para casa após a noite musical e decidiu compartilhar, na internet, alguns dos momentos especiais daquela noite. “Eu estava bem eufórica com o resultado daquela noite”, conta Rachel. “Eu postei a foto pensando que seria vista só por algumas pessoas, os meus funcionários que estão no Facebook.”
Mas, dois meses depois, Rachel recebeu uma ligação convocando-a para o escritório da diretoria.

“Assim que cheguei lá, quando vi os rostos deles, percebi que estava em apuros.” Rachel tinha feito quatro coisas erradas. Ela postou uma foto no Facebook, identificou um residente do Park Hall na foto – um homem com síndrome de Down que, animado para ser fotografado, pulou para ser clicado ao lado dela -, postou um vídeo da noite musical, e era amiga, na rede social, de um parente de um dos residentes.

Todas estas ações violavam as regras do governo local, o Conselho Municipal de Surrey, que administra a residência de idosos. Dois dias depois, Rachel foi suspensa do trabalho.

O recurso

Desde o início, Rachel admitiu ao conselho todas as alegações, mas ainda assim queria apelar da decisão. “Eu sei que não deveria ter postado aquela foto, mas eu realmente mereço ter minha carreira de 21 anos sacrificada por um erro? Eu queria justiça, porque não achava que o que eles fizeram comigo era justo.”

Rachel perdeu o recurso pedindo para não ser suspensa, e recebeu só dois dias para decidir se aceitaria ser rebaixada de posição – o que significaria um importante corte salarial – ou se encararia a demissão.

Ela pediu mais tempo para considerar as opções, mas o conselho recusou. Em vez de um prazo maior, Rachel, que hoje sofre com estresse e ansiedade, recebeu um telefonema dizendo que teria de tomar uma decisão imediatamente.
“Eu disse: ‘Estou sob licença médica, meu médico não acha que eu possa tomar uma decisão dessa magnitude neste momento.’”

Mas Rachel foi informada que, se não aceitasse o “rebaixamento” de posição, seria demitida do trabalho, que lhe rendia £45 mil (R$ 193 mil) por ano (cerca de R$ 16 mil por mês), com efeito imediato. “Eu recebi uma carta no dia seguinte que dizia: ‘Sentimos muito que tenha decidido optar pela demissão’. E foi isso aí”, conta.

Para ler a matéria completa na BBC Brasil clique aqui.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Por BBC Brasil

Notícias Relacionadas

Comentar: ‘Perdi meu emprego de 21 anos por postar uma foto no Facebook’

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125