sexta-feira, 19 de Abril de 2019

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Sem monitores no transporte crianças ficam fora da escola

Sem monitores no transporte crianças ficam fora da escola
Crédito da foto Para Imagem Ilustrativa google imagens
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Famílias da zona rural de Santo Antônio da Platina estão vivendo o drama de ver filhos fora da sala de aula porque a prefeitura não possui monitores para atuarem dentro dos veículos de transporte escolar. Foi isso que ocorreu, há poucos dias, com a trabalhadora Daniele Cristina de Medeiros Turci, que tem duas filhas, uma de oito anos e a menor, de quatro.

 Ela recebeu recado do motorista do ônibus que transporta os alunos de que a menina mais nova não mais poderia ser transportada no veículo porque o Município não dispõe de monitores para cuidar das crianças. O único meio de resolver o impasse seria a própria mãe, todos os dias, acompanhar a filha.
 Daniele reside no Bairro Água Branca, distante 15 quilômetros da cidade. Como ela trabalha todos os dias numa indústria de açúcar mascavo do bairro rural, não tem como acompanhar a filha. Ela conta que a menina, que estudava na Escola Iracema Baggio, no centro da cidade, fica questionando todo dia que vê a irmã mais velha saindo para estudar. “Tenho que ficar inventando histórias para minha filha se conformar. É muito triste”, lamenta.
 A mãe conta que procurou a secretaria de Educação, mas tanto a secretária Adriana Cavatoni, como o responsável pelo transporte escolar, Maurilio Loyola, foram irredutíveis. Diante da situação, ela procurou o Conselho Tutelar, onde foi informada de que consta na prefeitura que o município dispõe de monitores no transporte escolar.
 A mãe foi orientada a procurar a promotoria de justiça do Ministério Público Estadual (MPE). Daniele Turci diz que formalizou a denúncia, mas que uma posição do órgão leva, no mínimo, 30 dias. “Enquanto isso minha filha fica sem estudar. É muito triste”, lamenta, concluindo que existem vários casos semelhantes ao seu em Santo Antônio da Platina.
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Tribuna do Vale

Notícias Relacionadas

Comentar: Sem monitores no transporte crianças ficam fora da escola

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596