terça-feira, 17 de setembro de 2019

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

A história da mulher que aceitou ficar cega para não abortar a filha

A história da mulher que aceitou ficar cega para não abortar a filha
Crédito da foto Para Márcia e Lariane são prova do amor entre mãe e filha. Foto: Arquivo Pessoal
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Realizar o sonho de ser mãe ou continuar a vida “normal” enxergando? Com apenas 15 anos, Márcia Bonm Vieira foi colocada diante dessa escolha após ser diagnosticada com uma doença inamatória nos olhos. Mesmo com opções de reverter a cegueira, para ela, optar pela vida da lha era a única saída correta e “óbvia”. Não havia escolha. O aborto não era opção, garante.

Paranaense de São João do Ivaí (a 121 quilômetros de Maringá), Márcia engravidou em outubro de 1993. “Eu ia fazer 15 anos ainda, em dezembro, [mas a gravidez] não me assustou, porque eu sempre quis ter um bebê. Então, quei muito feliz na época”, relembra.

Em meio à emoção de receber a primeira lha, os sintomas de uma doença que mudaria toda a vida que Márcia levava apareceram ainda nos primeiros meses de gestação. As dores nos olhos, a vermelhidão e a visão turva foram os sinais iniciais. Em dezembro do mesmo ano, a então adolescente já tinha perdido praticamente toda a visão.

Especialistas precisavam ser consultados. Pela falta de recursos da cidade à época, foi preciso procurar
ajuda na região. Após a primeira consulta em Apucarana, no mesmo dia, os médicos decidiram transferi-la
para Curitiba, onde cou internada por 12 dias.

Foi na capital o diagnóstico: uveíte.“Lá eu descobri que eu estava com uma doença sem origem. Eles não conseguiram achar a causa para a minha perda de visão no momento. Mas já estava muito inamado e [eu] já não estava enxergando mais nada”, explica.

Para ler a matéria completa, acesse GMC Online.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Banda B

Notícias Relacionadas

Comentar: A história da mulher que aceitou ficar cega para não abortar a filha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596