Sunday, 7 de March de 2021

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

‘Li a carta de despedida do filho para a mãe’, dizem alunos que cuidaram de pacientes terminais de Covid

‘Li a carta de despedida do filho para a mãe’, dizem alunos que cuidaram de pacientes terminais de Covid
Photo Credit To Pixabay
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Uma paciente com graves sintomas de covid-19, uma mulher de 50 anos, não podia receber visitas do filho adolescente na enfermaria de cuidados paliativos do Hospital das Clínicas (HC), em São Paulo. Havia reuniões virtuais, quando o jovem poderia ver a mãe, mas ele temia esse encontro.

Quando o estado dela piorou, o rapaz enviou uma carta de despedida.

“Eu li a carta para ela, e foi bastante difícil para mim também. Foi muito triste. Ele se despedia da mãe, dizia o quanto ela era importante e pedia desculpas por coisas que ele tinha feito. Ela estava de olhos fechados, mas, quando terminei de ler, ela abriu os olhos. Foi um daqueles momentos que a gente não consegue explicar”, conta Gabrielle Cordeiro Trofa, de 24 anos, aluna do 5º ano de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Histórias como essa foram vivenciadas por um grupo de estudantes de Medicina da USP em uma experiência inédita: eles trabalharam por alguns meses em uma enfermaria de cuidados paliativos para pacientes terminais de covid-19 no Hospital das Clínicas (HC), um dos maiores complexos hospitalares da América Latina.

A ala, que tinha 20 leitos, foi criada em abril do ano passado para receber pessoas com sintomas graves de coronavírus somados a outras doenças, como câncer terminal. Ou seja, na enfermaria havia apenas pacientes cuja morte era considerada iminente e irreversível, embora esse destino anunciado não tenha se concretizado em todos os casos.

“Convivemos com a morte diariamente. Foi uma experiência muito intensa e impactante. Vivemos momentos que vamos nos lembrar para o resto da vida. Também foi um período muito importante para nossa formação como profissionais de saúde”, explica Gabrielle.

Para ler a matéria completa na BBC Brasil clique aqui

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Post source : BBC Brasil

Related posts

Comentar: ‘Li a carta de despedida do filho para a mãe’, dizem alunos que cuidaram de pacientes terminais de Covid

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

WhatsApp 596