sexta-feira, 5 de junho de 2020

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Médico acusado de matar Renata Muggiati é preso novamente ao ameaçar outra mulher

Médico acusado de matar Renata Muggiati é preso novamente ao ameaçar outra mulher
Crédito da foto Para Casal morava junto há seis meses. Foto: Reprodução
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

O médico Raphael Suss Marques, acusado de matar a ex-namorada fisiculturista Renata Muggiati, foi preso novamente no domingo (25), em Curitiba. Ele está sendo acusado de agredir outra ex-namorada, há cerca de seis meses.

A Polícia Militar (PM) informou que Raphael e a ex-namorada teriam mantido um relacionamento por uma semana e se separaram há cerca de cinco meses. A mulher relatou ter sido agredido com um soco cujo hematoma virou visível, e também disse ter sido ameaçada e xingada. Entre as mensagens, Raphael mandou a ela “vou te arrebentar”, “maloqueira”, “piranha”, “lazarenta”. A agressão teria acontecido na sexta-feira (23).

Raphael foi encaminhado ao Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Ele foi preso preventivamente quando estava em casa e não há prazo para sua soltura.

O caso

Renata Muggiati morreu no dia 12 de setembro de 2015 após cair do 31° andar do prédio onde vivia. Inicialmente o caso foi tratado como suicídio, mas novos fatos apontaram para a possibilidade de um crime. No dia 25 do mesmo mês, a Justiça do Paraná decretou a prisão temporária do namorado da fisiculturista. O IML indicou que a morte de Renata aconteceu por asfixia e não pela queda.

O laudo contrariou o resultado da necropsia então realizada pelo médico legista Daniel Colman, que afirmava não ter havido a asfixia e que motivou o pedido de liberdade do principal suspeito. Desde o início, Raphael nega as acusações.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: banda B

Notícias Relacionadas

Comentar: Médico acusado de matar Renata Muggiati é preso novamente ao ameaçar outra mulher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596