domingo, 10 de dezembro de 2017

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Trump diz que decisão sobre Jerusalém deveria ter sido tomada “há muito tempo”

Trump diz que decisão sobre Jerusalém deveria ter sido tomada “há muito tempo”
Crédito da foto Para © Fournis par RFI
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Líderes palestinos desencadearam uma ira sem precedentes contra os Estados Unidos após a decisão do presidente Donald Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, nesta quarta-feira (6), uma proclamação histórica e potencialmente explosiva saudada pelos israelenses.

Trump confirmou os temores dos países árabes e de uma grande parte da comunidade internacional, preocupada com um surto de violência.

Rompendo com seus predecessores e tocando em um dos problemas mais sensíveis da região, ele anunciou o reconhecimento de Jerusalém, uma cidade sagrada para judeus, cristãos e muçulmanos, como a capital de Israel.

Mesmo antes de seu discurso, nesta quarta-feira (6), milhares de palestinos irritados marcharam após a oração ao Monumento do Soldado Desconhecido em Gaza, onde queimaram as bandeiras americana e israelense e cantavam “Morte à América” e “Morte a Israel”.

O município de Belém extinguiu a árvore de Natal na praça central desta cidade, em grande parte cristã, da Cisjordânia ocupada, sob a forma de protesto, disse uma porta-voz.

O contraste era marcante com a projeção, pelo município israelense de Jerusalém, de uma vasta bandeira em forma de estrela ao lado da bandeira da Estrela de Davi nas muralhas da Cidade Velha de Jerusalém.

Apesar da chamada para três “dias de fúria”, a partir desta quarta-feira, a mobilização permaneceu limitada nos territórios palestinos. A própria Jerusalém, atingida pelo frio e pela chuva, não ofereceu um rosto diferente dos outros dias.

Macron, Merkel, May e comunidade europeia reagem

O presidente francês, Emmanuel Macron, qualificou nesta quarta-feira (6) de “lamentável” a decisão do presidente americano, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e pediu para “evitar a violência a qualquer preço”.

Macron ressaltou “o compromisso da França e da Europa com a solução dos dois Estados. Israel e Palestina vivendo como vizinhos em paz e segurança em fronteiras reconhecidas internacionalmente e com Jerusalém como capital dos dois Estados”.

A chanceler alemã Angela Merkel disse nesta quarta-feira que seu governo não apoia a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel.

O governo alemão “não apoia esta posição porque o status de Jerusalém só pode ser negociado como parte de uma solução de dois estados”, disse o chanceler, citado em um tweet por sua porta-voz Steffen Seibert, lembrando a Posição de Berlim, favorável à opção de dois estados, palestino e israelense.

A chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, em uma conversa telefônica com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, Mogherini reiterou a “posição firme” da UE de que “o status final de Jerusalém como a futura capital de Israel e um estado palestino deve ser resolvido através de negociações que atendam às aspirações de ambas as partes “, de acordo com um comunicado.

“A União Européia expressa sua séria preocupação com o anúncio hoje do presidente dos EUA, Trump, sobre Jerusalém e as repercussões que isso pode ter sobre a perspectiva da paz “, disse o chefe da diplomacia européia Federica Mogherini em uma declaração.

Ela também reafirmou o compromisso da União Européia com a “retomada de um verdadeiro processo de paz que conduz a uma solução de dois Estados”, a única perspectiva em sua visão “garantindo paz e segurança para ambos os países. Palestinos e israelenses “.

O Reino Unido “não concorda” com a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital do Estado de Israel, que é “de nenhuma ajuda” para o processo de paz com Palestinos, disse o primeiro-ministro britânico Theresa May na quarta-feira.

“Nós não concordamos com a decisão dos EUA de transferir sua embaixada para Jerusalém e reconhecer Jerusalém como a capital israelita antes de um acordo de status final”, disse May em um comunicado.

ONU se posiciona contra medida unilateral

A ONU se diz “contra qualquer medida unilateral“. “O status de Jerusalém só pode ser resolvido pela “negociação direta” entre israelenses e palestinos, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, lembrando que ele sempre foi “contra qualquer medida unilateral”. “Não há alternativa para a solução de dois estados” com “Jerusalém como a capital de Israel e da Palestina”.

Para o movimento islâmico palestino Hamas, a decisão do presidente dos Estados Unidos abre “as portas do inferno para os interesses americanos na região”.

Ismail Radwan, principal funcionário do Hamas falando aos repórteres na Faixa de Gaza, pediu aos países árabes e muçulmanos que “reduzam os laços econômicos e políticos” com as embaixadas dos EUA e expulsem embaixadores americanos.

Com o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel e com a transferência da embaixada americana – hoje em Tel-Aviv -, o presidente Donald Trump poderá romper com o posicionamento da comunidade internacional e com décadas de política americana.

Um pouco de história

O plano da ONU em 1947 previa a partição da Palestina em três entidades: um Estado judeu, um Estado árabe e Jerusalém, formando um “corpus separatum” sob regime internacional especial administrado pelas Nações Unidas.

Esse plano é aceito pelos dirigentes sionistas, mas rejeitado pelos líderes árabes.

Na esteira da saída dos britânicos e da primeira guerra árabe-israelense, o Estado de Israel é criado em 1948, e tem Jerusalém Oriental instituída como capital, com Jerusalém Leste ainda sob controle da Jordânia.

Israel toma conta de Jerusalém Oriental ao longo da guerra dos Seis Dias, em 1967, anexando esse território. Em 1980, uma lei fundamental confirma o status de Jerusalém como capital “eterna e indivisível” de Israel.

E, nesta terça, o governo israelense voltou a lembrar: “Jerusalém é a capital do povo judeu há 3.000 anos e a capital de Israel há 70 anos”. Isso vale para toda a Jerusalém, Oriental e Ocidental, cidade “reunificada”.

Interlocutora da comunidade internacional e de Israel, a Autoridade Palestina reivindica Jerusalém Oriental como a capital de um futuro Estado palestino independente. Já o Hamas islamita, que não reconhece Israel, evoca Jerusalém como a capital de um futuro Estado da Palestina.

Em 1995, o Congresso americano adota o Jerusalem Embassy Act, com um apelo para que o governo mude a embaixada de Tel-Aviv para Jerusalém, “capital do Estado de Israel”.

A lei é obrigatória para o governo americano, mas uma cláusula permite aos presidentes adiar sua aplicação por seis meses. Bill Clinton, George W. Bush e Barack Obama acionaram a cláusula, sistematicamente, a cada seis meses. A contragosto, Trump fez isso pela primeira vez, em junho de 2017.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: RFI

Notícias Relacionadas

Comentar: Trump diz que decisão sobre Jerusalém deveria ter sido tomada “há muito tempo”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125