quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

2º Ano da Escola Correia Defreitas desenvolve projeto sobre perigo de agrotóxicos

2º Ano da Escola Correia Defreitas desenvolve projeto sobre perigo de agrotóxicos
Crédito da foto Para Diógenes Gonçalves
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

A turma de 2º Ano A da Escola Municipal Correia Defreitas, em Ribeirão Claro, sob a orientação da professora regente Nilza Fernandes Otávio participa do Programa Agrinho 2018 explorando o tema geral “O que liga o campo e a cidade e o nosso papel para melhorar o mundo”.

A experiência pedagógica intitulada “Agrotóxico- O perigo em nossas mesas” se desenvolveu a partir da problemática de como saber se o alimento está contaminado pelo agrotóxico”. Com objetivo geral conscientizar quanto aos perigos do uso de agrotóxicos na produção de alimentos, ao mesmo tempo compreendendo a interdependência campo/cidade.

Receberam palestras com nutricionista Fernanda Pirola Moura e engenheira agrônoma Carolina Chiarotti Siquerolli que expuseram o tema e destacaram a importância do alimento saudável produzido sem agrotóxico. Receberam depoimento do trabalhador o senhor Luís Simão Fernandes vítima de intoxicação pelo veneno utilizado nas aplicações na roça.

Visitando à APO perceberam o trabalho coletivo consciente dos produtores para garantir saúde e bons produtos. Ali viram de perto verduras, legumes, frutas e outros produtos sendo selecionados para a merenda escolar.

Na Pesquisa de Campo na Chácara dos Sonhos observaram formas de plantação e produção de alimentos. A senhora Simone Aparecida Camilo da Silva Campos os conduziu pelo espaço rural mostrando e explicando sobre a prática de cultivo no sistema orgânico e convencional. Contou à turma que trabalha e vive do campo, plantando, colhendo para o próprio sustento e para comercialização como a compra direta da agricultura familiar. Dona Simone disse às crianças: “quem vive do campo precisa estar atento e cultivar um pouco de tudo, inclusive garantir o leitinho da filha. A gente trabalha o tempo todo, mas trabalha feliz, junto da família”. Os alunos ficaram encantados com tudo o que viram.

Na visita à UBC unidade de beneficiamento de café o técnico agrícola encarregado da unidade recebeu a turma explicando sobre o uso do agrotóxico no café e toda orientação ofertada aos produtores do município e região. Lá o senhor José da Silva Filho muito atencioso esclareceu as dúvidas e curiosidades da turma, além de mostrar como é feito a classificação das amostras de café levadas pelos produtores.

Para entender melhor sobre o sistema orgânico de produção de alimentos, conheceram a Chácara da dona Maria Luizeti Brambila. Um espaço totalmente orgânico com cultivo de verduras, legumes, hortaliças e frutas.

A pesquisa despertou a atenção dos alunos à importância da sustentabilidade para o equilíbrio na natureza. Viram que há outras alternativas conservando a saúde humana e os recursos naturais. Aprenderam que o perigo do uso de agrotóxico não está só na contaminação de alimentos, mas em intoxicação de pessoas e poluição do meio ambiente.

Descobriram que é possível saber se o alimento está contaminado por agrotóxico, e que, isso é muito importante para a escolha daquilo que se põe em sua mesa.

As ações realizadas e as comunidades de aprendizagem contribuíram para construção do conhecimento reforçando a compreensão de interdependência campo/cidade. A turma sem dúvida compreendeu a importância do trabalhador rural para que as pessoas na cidade possam ter alimento saudável na mesa todos os dias.

Com o projeto em desenvolvimento já se obteve grandes resultados na aprendizagem e conscientização da turma, a qual compartilha aqui suas descobertas para que outras pessoas da comunidade possam se beneficiar dessas informações. Por ora ficam os agradecimentos àqueles que têm contribuído para a concretização da experiência pedagógica.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Diógenes Gonçalves

Notícias Relacionadas

Comentar: 2º Ano da Escola Correia Defreitas desenvolve projeto sobre perigo de agrotóxicos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596