quinta-feira, 9 de Abril de 2020

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Águas-vivas trazem o terror às praias paranaenses

Águas-vivas trazem o terror às praias paranaenses
Crédito da foto Para (foto: Divulgação)
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Quem for curtir a temporada de verão no litoral paranaense deve ficar atento. É que o número de acidentes envolvendo águas-vivas disparou nesta temporada. Segundo informações do Sistema de Registro e Estatística de Ocorrências do Corpo de Bombeiros, desde o dia 20 de dezembro foram 4.028 ocorrências, uma média de 288 por dia e 155% a mais do que no mesmo período do ano passado, quando foram 1.578 casos.

De acordo com a tenente Rafaela Diotalevi, do Corpo de Bombeiros, a alta incidência de acidentes com águas-vivas se tornou algo comum no Paraná ao longo dos últimos anos. O primeiro “surto” foi registrado na temporada 2011/2012, quando em apenas cinco dias (entre os dias 19 e 23 de janeiro) foram registrados 5.714 casos. Na temporada atual, foram 2.932 ocorrências em apenas três dias (entre os dias 30 de dezembro e 1º de janeiro).
“Está sendo comum nos últimos anos (acidentes com água viva), também por causa do grande movimento que a praia recebe no período. Ano Novo acontece muito, porque a praia fica cheia, lotada”, aponta a tenente.
Outro fator é que nos últimos anos também aumentou a quantidade de água viva no litoral do Paraná. Esse aumento resulta de uma série de fatores. Entre eles, a pesca por redes de arrasto, a poluição que mata os predadores naturais da água-viva e o movimento das correntes marítimas que leva esses animais para perto dos banhistas.
Felizmente, a maior parte das ocorrências é considerada leve pelas autoridades. Como não é possível prevenir este tipo de situação, a recomendação é nunca coçar, esfregar ou passar água corrente no local afetado. O ideal é utilizar a própria água do mar ou soro fisiológico, que anula as toxinas que o animal solta. Observar durante o dia se o paciente apresenta febre ou uma vermelhidão excessiva no local queimado. Se isso acontecer, o paciente deve procurar o prontoatendimento.

OCORRÊNCIAS COM ÁGUA VIVA
(entre os dias 20/12 e 02/01 de cada temporada)

2016/2017: 4.028
2015/2016: 1.578
2014/2015: 1.009
2013/2014: 4.647
2012/2013: 51

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Rodolfo Luis Kowalski

Notícias Relacionadas

Comentar: Águas-vivas trazem o terror às praias paranaenses

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596