sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Angra Doce pode mudar perfil econômico da região

Angra Doce pode mudar perfil econômico da região
Crédito da foto Para Foto: Antônio de Picolli
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Um projeto criado nas gestões dos ex-governadores do Paraná, Beto Richa, e de São Paulo, Geraldo Alckmin, aprovado por leis dos dois estados, agora tramita no Senado Federal e poderá transformar o Norte Pioneiro como uma das mais importantes rotas turísticas do sul do Brasil, atraindo investimentos milionários que mudarão o perfil econômico desta que é uma das regiões mais ricas em termos de atrações naturais.

Uma entidade ainda pouco conhecida, a Atunorpi – Associação Turística do Norte Pioneiro, presidida pelo cambaraense Wellington Trautwein Bergamaschi e que congrega 15 municípios da região com potenciais neste segmento econômico, e quem está conduzindo negociações no Senado e junto ao Ministério do Turismo, um trabalho discreto, objetivo e extremamente profissional.

No início deste mês Wellington Bergamaschi esteve em Brasília e, por vários dias, percorreu gabinetes de sanadores, deputados e autoridades ligadas ao turismo. Ele explica que o projeto de lei nº 34/17 que institui a região de Angra Doce, compreendendo o reservatório da Usina Hidrelétrica de Chavantes e seu entorno, nos Estados do Paraná e de São Paulo, como Área Especial de Interesse Turístico, já está na pauta do senado.

Sua aprovação abre as portas dos organismos que dão sustentação ao projeto de desenvolvimento turístico do Norte Pioneiro, principalmente na implantação de infraestrutura que é a base para os projetos de desenvolvimento.

Bergamaschi informa que já está na pauta de senadores e deputados a aprovação de recursos para a promoção de investimentos em melhorias de, pelo menos, dois aeroportos da região. O primeiro que deverá ser beneficiados é o de Siqueira Campos, que já tem aprovado aporte de recursos avaliados em R$ 2 milhões do governo do Estado. No entanto, na avaliação do presidente da Atunorpi, esses recursos são insuficientes para tornar este aeródromo dentro das exigências do que se pretende desenvolver na região.

Outro aeroporto que pode integrar-se ao projeto é o de Andirá, que possui uma boa pista, mas carece de estrutura aeroportuária suficiente para fazer parte do projeto.

Em documento protocolado no Congresso, o presidente da Atunorpi assinala que a região depende da aprovação da lei para definitivamente efetivar os projetos de desenvolvimento turístico e, a partir de então, como integrantes de uma região turística reconhecida por lei federal, implantar políticas para atrair investidores e empreendimentos, utilizando o turismo como um dos propulsores para a melhora na qualidade de vida e renda de toda região.

Bergamaschi apresentou as propostas da Atunorpi aos deputados Rubens Bueno, Diego Garcia, Luiz Nishimori, Sargento Fahur, Luisa Canziani, Felipe Barros, Enio Verri, Ricardo Barros, Boca Aberta e Pedro Lupion, além dos três senadores paranaenses, Álvaro Dias, Oriovisto Guimaraes, e Flávio Arns, a quem apresentaram alguns projetos como a do trem turístico do Norte Pioneiro e levantamento de fundos para reforma de 14 vagões de trem doados pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) à Atunorpi.

Wellington Bergamaschi assinala que a Atunorpi é a ferramenta que a região possui para realizar este trabalho, mas é fundamental o engajamento dos prefeitos e outras lideranças. Para ele, o primeiro passo é a aprovação da lei federal tornando Angra Doce reconhecida nacionalmente. Ele destaca que, por conta desta confiança a região já recebe investimentos significativos, citando empreendimentos turísticos de peso, principalmente em Ribeirão Claro.

Bergamaschi destaca ainda a atuação que vem sendo desenvolvida por alguns parlamentares paranaenses no sentido da aprovação de emendas individuais e de bancadas visando à destinação de recursos para projetos turísticos. Um exemplo é o deputado Diego Garcia que já obteve uma emenda para a Rota do Rosário, um dos projetos turísticos no campo religioso que vem atraindo visitantes a vários municípios da região.

Consórcios

Finalizando o presidente da Atunorpi, Wellington Bergamaschi observa que a prioridade absoluta do projeto é pela ação dos municípios em consórcios. “Ações isoladas dos municípios terão poucas chances de prosperar. A palavra de ordem e união das lideranças e, neste contexto, os consócios têm papel fundamental”, conclui.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Tribuna do Vale

Notícias Relacionadas

Comentar: Angra Doce pode mudar perfil econômico da região

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596