domingo, 16 de dezembro de 2018

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Duke Energy monitora espécies da fauna nas áreas dos reservatórios

Duke Energy monitora espécies da fauna nas áreas dos reservatórios
Crédito da foto Para Assessoria Duke Energy
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

A Duke Energy realiza, entre os dias 15 e 30 de junho, a segunda etapa da campanha de campo do Programa de Monitoramento e Conservação da Fauna Silvestre no entorno do reservatório da usina hidrelétrica de Salto Grande. O objetivo deste estudo é monitorar a fauna nos fragmentos reflorestados e em regeneração natural na área de influência do reservatório e, com isso, avaliar a efetividade das medidas e técnicas utilizadas nas ações em prol do aumento da cobertura vegetal. Além de Salto Grande, o programa também é desenvolvido em áreas das usinas de Chavantes, Jurumirim e Rosana. Todo o trabalho é realizado com licenciamento ambiental e seguindo projetos específicos para cada empreendimento.
 
De acordo com Simone Leite dos Santos, analista da área de Meio Ambiente da Duke Energy, o programa é executado em pontos localizados no interior das chamadas Áreas de Conservação Ambiental (ACAs), bem como em espaços no entorno do reservatório. “As campanhas de campo são realizadas com periodicidade semestral, sendo uma no período seco e outra no chuvoso, totalizado duas campanhas por área amostral. São monitoradas espécies de mamíferos, aves, répteis e anfíbios, através de visualizações e observações em campo, instalações de câmeras fotográficas e armadilhas para captura e posterior soltura”, explica.
 
Ela acrescenta que é importante conhecer o comportamento animal das espécies presentes perto dos reservatórios porque elas são influenciadas por fatores ambientais e genéticos, podendo ser visto como processo dinâmico e sensível às variações físicas do meio e às atividades antrópicas, ou seja, por intervenções humanas.
 
Como em Salto Grande a segunda campanha entrará em execução em meados deste mês, Santos esclarece que os dados referentes a este reservatório ainda não foram consolidados. Da mesma forma ocorre no reservatório de Jurumirim, que teve a primeira campanha em maio e segunda etapa está prevista para novembro. “Em Chavantes e Rosana as duas campanhas de campo já foram realizadas e temos os relatórios consolidados”, adianta.
 
Conforme o estudo, em Chavantes foram monitoradas duas Áreas de Conservação Ambiental: ACA Itararé e ACA Barão de Antonina. A pesquisa identificou 175 espécies de aves, 32 de mamíferos, 16 espécies de anfíbios e sete de répteis. Em Rosana o monitoramento também abrangeu duas ACAs: Nova Pontal e Paranapoema. Nestas foram identificadas 141 espécies de aves, 35 de mamíferos, 21 de anfíbios e oito espécies de répteis.
 
A analista acrescenta que algumas espécies de fauna são importantes indicadores de qualidade ambiental, podendo servir como meios para analisar mudanças ambientais em níveis geográficos ou globais. Outras espécies são mais especialistas quanto ao uso do habitat e podem sinalizar perturbações locais no ambiente.
 
“No caso da Duke Energy, os resultados da pesquisa têm sido utilizados para avaliar a qualidade ambiental das áreas reflorestadas pela empresa e orientar ações futuras, como por exemplo, a implantação de técnicas nucleadoras de restauração, que permitem um aumento da probabilidade de ocupação deste ambiente por outras espécies”, explica Santos.
 
Isso porque, segundo ela, o aumento da fauna favorece a dispersão de sementes e a polinização, ou seja, a interação entre animal-planta. Sendo assim, o estudo contribui com as ações de reflorestamentos, já que eles atuam positivamente na colonização de novas espécies e elevação das presentes que encontram corredores florestais, abrigo (natural e artificial) e fonte de alimentação.
 
 A Duke Energy Brasil opera e administra oito usinas hidrelétricas instaladas ao longo do rio Paranapanema e duas pequenas centrais hidrelétricas no rio Sapucaí-Mirim, com um total de 2.274 megawatts (MW) de capacidade instalada. Anualmente, gera cerca de 12,5 milhões de MWh, energia suficiente para abastecer por um ano 6,5 milhões de famílias ou 26 milhões de habitantes. Com cerca de 325 empregados no país, a Duke Energy Brasil representa o maior investimento internacional da norte-americana Duke Energy Corp., a maior companhia de serviços públicos dos Estados Unidos.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Assessoria Duke Energy

Notícias Relacionadas

Comentar: Duke Energy monitora espécies da fauna nas áreas dos reservatórios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596