domingo, 15 de dezembro de 2019

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Duke Energy solta 100 mil peixes em Cambará‏

Duke Energy solta 100 mil peixes em Cambará‏
Crédito da foto Para Ednéia Silva Zart
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

A Duke Energy promove uma soltura de 100 mil peixes, das espécies pacu e curimbatá, no reservatório da UHE Canoas II, nesta segunda-feira (27). A ação ocorre em Cambará e faz parte do programa de manejo pesqueiro da concessionária que administra oito hidrelétricas ao longo do Paranapanema.

Anualmente, a Duke Energy coloca 1,5 milhão de peixes na Bacia do Paranapanema, contribuindo para a reposição do estoque pesqueiro e manutenção da biodiversidade. De acordo com Norberto Vianna, biólogo e consultor da área de Meio Ambiente da companhia, nesta primeira etapa de 2015 o programa viabilizará a soltura de 920 mil peixes jovens, distribuídos em oito ações distintas. Os pontos de soltura são selecionados por oferecerem melhores condições de abrigo e alimentação aos novos peixes.

Vianna explica que ao selecionar as espécies para os trabalhos de repovoamento, a Duke Energy leva em consideração a capacidade de formarem populações sustentáveis e o seu valor para economia e cultura de pesca amadora e profissional. Além do pacu e curimbatá, a companhia utiliza piracanjuba, piapara, piava-três-pintas e dourado.

Educação Ambiental

Em Cambará, cerca de 70 alunos do 5º ano do ensino fundamental acompanharão a soltura dos peixes no reservatório. Antes, eles participam de palestra sobre a reprodução de peixes em cativeiro e a importância do repovoamento, ministrada pelo analista de Meio Ambiente da Duke Energy, Luis Augusto Nogueira Perino. Ao final, os estudantes ganham gibis educativos produzidos pela companhia sobre o tema.

“Quando integram ações como essas, as crianças se sentem envolvidas nos esforços de recuperação ambiental. Elas também desenvolvem um importante trabalho de multiplicar informações e promover a conscientização em defesa da natureza”, comenta Perino.

A Duke Energy Brasil opera e administra oito usinas hidrelétricas instaladas ao longo do rio Paranapanema e duas pequenas centrais hidrelétricas no rio Sapucaí-Mirim, com um total de 2.274 megawatts (MW) de capacidade instalada. Anualmente, gera cerca de 12,5 milhões de MWh, energia suficiente para abastecer por um ano 6,5 milhões de famílias ou 26 milhões de habitantes. Com cerca de 325 empregados no país, a Duke Energy Brasil representa o maior investimento internacional da norte-americana Duke Energy Corp., a maior companhia de serviços públicos dos Estados Unidos.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Ednéia Silva Zart

Notícias Relacionadas

Comentar: Duke Energy solta 100 mil peixes em Cambará‏

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596