quinta-feira, 17 de junho de 2021

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

MP oferece denúncia contra três investigados na ‘Máfia do DPVAT’

MP oferece denúncia contra três investigados na ‘Máfia do DPVAT’
Crédito da foto Para Grupo falsificava assinaturas de socorristas, médicos e fisioterapeutas para receber o seguro (Antônio de Picolli/Arquivo)
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Um esquema criminoso, que ao longo de três anos pode ter desviado mais de R$ 500 mil do Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT) dentro do Hospital Nossa Senhora da Saúde, está perto de ser esclarecido. Na tarde desta quarta-feira (29), a 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Santo Antônio da Platina ouviu mais de 20 testemunhas no caso. A reportagem apurou que o Ministério Público esclareceu parte do esquema criminoso, e denunciou à Justiça ao menos três investigados na fraude.

O caso foi denunciado à Polícia Civil em 2011 pelo consórcio que administra os recursos das seguradoras, e ganhou repercussão nacional ficando conhecido como ‘Máfia do DPVAT’. Após a instauração do inquérito policial para apurar os fatos, muitas vítimas procuraram a 38ª Delegacia Regional de Polícia.

O promotor de Justiça Diego André Coqueiro Barros não pode atender a reportagem em razão das audiências com as testemunhas, mas deve se pronunciar a respeito nesta quinta-feira (30).

Relembre o caso

De acordo com as investigações, as fraudes ocorriam desde 2009 dentro do HNSS. Os envolvidos lesavam o Dpvat através de procurações frias ou assinadas sem o conhecimento das vítimas de acidentes. Conforme apurou a reportagem à época, os golpistas teriam desviado R$ 2,7 mil por transação, valor máximo pago pelo seguro a vítimas de acidente com gravidade máxima.

O grupo também falsificava assinaturas de socorristas do Corpo de Bombeiros que atendiam as vítimas de acidentes. Entre as falsificações apareceram a assinatura do então comandante do Corpo de Bombeiros, capitão Alecsander Dornellas, médicos e fisioterapeutas. Com os documentos, os investigados recebiam o dinheiro que deveria cobrir as despesas médicas e hospitalares prestadas pelo hospital às vítimas de acidente.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Luiz Guilherme Bannwart

Notícias Relacionadas

Comentar: MP oferece denúncia contra três investigados na ‘Máfia do DPVAT’

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596