domingo, 31 de Maio de 2020

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Por dia, 25 mulheres são internadas no Paraná, vítimas de violência

Por dia, 25 mulheres são internadas no Paraná, vítimas de violência
Crédito da foto Para (foto: Divulgação)
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

No Paraná, 25 mulheres são hospitalizadas diariamente, vítimas dos mais diversos tipos de violência (sexual, doméstica, etc). Os dados são do do Sistema de informação de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde. E o principal agressor é sempre o cônjuge/companheiro, com 19,4% dos casos. Em seguida vem a mãe da vítima (15,6%), o pai (10,6%), pessoas desconhecidas (9,3%), amigos/conhecidos (8,9%) e ex-cônjuge (5,5%).

Os números fornecem um retrato da violência da qual a mulher é alvo. Tema que nesta semana voltou a ser o centro das discussões por conta de dois episódios de grande repercussão. Primeiro, no dia 25 de dezembro, o médico Raphael Suss Marques, acusado de matar a namorada e fisiculturista Renata Muggiati, foi preso novamente em Curitiba. Desta vez, ele teria agredido e ameaçado uma outra ex-namorada, mãe de um filho dele. Já no Réveillon, Sidnei Ramis de Araujo, de 46 anos, invadiu uma casa em Campinas, interior de São Paulo, atirando. Doze pessoas foram assassinadas, entre elas a ex-esposa e o filho, de apenas oito anos.

Em 2014, último ano com dados disponíveis, um total de 9.084 casos foram registrados pelo Sinan, que reúne as informações fornecidas pelos agentes da rede pública de saúde sempre que for constatado, durante o atendimento médico, que há indícios de violência. Isso representa um aumento de 328,5% na comparação com 2010, quando haviam sido 2.120 registros.

Além dos números de atendimentos em hospitais, preocupa também o índice de mulheres mortas no Paraná. De acordo com o Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), em 2014 foram 283 mortes por agressão, uma média de duas mortes a cada três dias.

Os dados mostra que a maioria das vítimas é solteiras (57,7%) ou casadas (19,9%). 24,9% dos casos que terminam em morte ocorrem em via pública.

 

CASOS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, SEXUAL E OUTRAS VIOLÊNCIAS

2014: 9.084
2013: 10.528
2012: 8.038
2011: 3.646
2010: 2.120

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Rodolfo Luis Kowalski

Notícias Relacionadas

Comentar: Por dia, 25 mulheres são internadas no Paraná, vítimas de violência

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596