Sunday, 7 de March de 2021

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Aumenta número de pessoas picadas por cobras no Norte Pioneiro

Aumenta número de pessoas picadas por cobras no Norte Pioneiro
Photo Credit To Imagem ilustrativa google imagens
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

O número de pessoas picadas por cobras desde novembro de 2017 tem causado preocupação entre os profissionais de saúde do Norte Pioneiro, em especial na região de Cornélio Procópio. Em dezembro, houve falta de soro antiofídico na Santa Casa de Cornélio Procópio, segundo o CIT (Centro de Informações Toxicológicas) do HU (Hospital Universitário de Londrina), necessitando remanejamento de outras regionais de Saúde próximas para a cidade para repor o estoque.

No dia 25 de novembro, uma mulher de Andirá, de 36 anos, morreu. Segundo informações do CIT, ela trabalhava na zona rural quando foi mordida. A vítima precisou andar até o ônibus que fazia o transporte de trabalhadores, aumentando a circulação do sangue, e ainda demorou mais de quatro horas para chegar até a Santa Casa de Cornélio Procópio, que centraliza este tipo de atendimento em toda a região. “Ela recebeu a aplicação do soro, mas o fato dela ter outras complicações de saúde, tornou seu quadro crítico”, explicou Camilo Molino Guidoni, coordenador do CIT de Londrina e professor do curso de Farmácia da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Atualmente a situação está controlada e não há falta de soro, porém, em função da dificuldade de produção do antídoto, sua aplicação é regulada . “Cada regional de Saúde possui de 50 a 60 ampolas de cada cobra. Os soros são produzidos em quatro laboratórios do Brasil, por um processo complexo. Não basta retirar o veneno do animal para produzi-lo, é necessário inoculá-lo no sangue do cavalo, e depois extraí-lo. É caro e leva tempo. Após a produção o Ministério da Saúde adquire o soro e os distribui para os Estados. As regionais recebem os remédios por meio do CIT”. Conforme Guidoni, o órgão precisa autorizar a aplicação de cada dose. “Precisamos saber qual animal causou o ataque, a situação da vítima, pois uma aplicação errada pode causar diversas complicações ao paciente”.

CAUSAS
Desde novembro os ataques com cobras cresceram mais de 50% na região de Cornélio Procópio, em especial na zona rural (a reportagem tentou obter os números exatos junto à Santa Casa de Misericórdia, mas a divulgação não foi autorizada). A causa do aumento, segundo Guidoni, está relacionada ao clima. “As cobras ficam mais ativas nos meses quentes. Alia-se a isso à época de colheitas, que leva muita gente para a zona rural, além de ser comum as pessoas passearem em sítios, rios, cachoeiras, fazerem pescarias, enfim, ficando mais próximas dos habitats dos répteis. Por isso vemos mais acidentes entre os meses de setembro a abril, com pico maior no verão”.

As cobras que causam mais de 90% dos acidentes na região são a jararaca e a cascavel. “São as peçonhentas mais comuns no nosso Estado”, diz Guidoni. Conforme o farmacêutico, cobras atacam só quando se sentem ameaçadas. “A maioria das pessoas é picada nos pés, tornozelos, mãos ou braços, geralmente em situações em que pisa, passa muito perto do animal, ou coloca a mão em algum buraco ou moita, sem verificar antes”.

AJUDA
O CIT de Londrina fornece informações por telefone não apenas sobre cobras, mas qualquer outro animal peçonhento, como escorpião, bem como faz orientações a pessoas intoxicadas por remédios, venenos, etc. As dúvidas são sanadas por especialistas da UEL pelo telefone (43) 3371-2244.

Foto: Gustavo Carneiro

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Post source : Rubia Pimenta - Folha de Londrina

Related posts

Comentar: Aumenta número de pessoas picadas por cobras no Norte Pioneiro

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

WhatsApp 596