terça-feira, 15 de outubro de 2019

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Condenado por violência doméstica não pode ter pena de prisão substituída

Condenado por violência doméstica não pode ter pena de prisão substituída
Crédito da foto Para imagem ilustrativa google imagens
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

A substituição da pena privativa de liberdade em caso de violência doméstica é inviável. Foi esse o entendimento da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao julgar o processo de um homem condenado por violação de domicílio e violência doméstica. A decisão foi unânime.

O réu foi denunciado pelo Ministério Público do Mato Grosso do Sul (MP-MS) após invadir a casa da ex-mulher. À Justiça, a vítima contou que o homem estava embriagado e trazia consigo um pacote de carne, alegando que havia ido até a residência para “fazer um churrasco”. Após a mulher negar a permanência do ex-marido, ele teria se revoltado e jogado a embalagem de carne na antiga companheira. Latas de cerveja também foram arremessadas no interior da moradia.

Condenado em primeiro grau, o homem interpôs recurso e pediu pela aplicação do princípio da insignificância no caso, quando a conduta do réu é considerada inofensiva. O Tribunal de Justiça acatou o pedido e substituiu a pena de prisão pela restritiva de direitos. O MP-MS recorreu STJ, que decidiu restabelecer a sentença de sete meses e 20 dias de prisão.

Na decisão, o ministro Joel Ilan Paciornik afirmou que a jurisprudência do STJ é pacífica quando se trata de crime cometido no ambiente doméstico com violência ou grave ameaça, sendo inviável que a pena de prisão seja substituída nesses casos.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Gazeta do Povo - Mariana Balan

Notícias Relacionadas

Comentar: Condenado por violência doméstica não pode ter pena de prisão substituída

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596