quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

DUKE ENERGY SOLTA 100 MIL PEIXES NO RIO PARDO

DUKE ENERGY SOLTA 100 MIL PEIXES NO RIO PARDO
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Pelo 5º ano consecutivo, a Duke Energy celebra o Dia do Rio Pardo com uma ação em prol do repovoamento. Nesta sexta-feira (27), a empresa colocará 100 mil pacus nesse rio, que é o maior tributário do reservatório da usina hidrelétrica Salto Grande. Como parte da programação, 300 estudantes de escolas públicas participam de uma palestra sobre a importância da reprodução em cativeiro para a recomposição do estoque pesqueiro da Bacia do Paranapanema e, depois, acompanham a soltura.

A iniciativa – em parceria com a Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo (Sabesp) de Santa Cruz do Rio Pardo, Prefeitura Municipal e ONG Rio Pardo Vivo – antecipa a comemoração do Dia do Rio Pardo, em 29 de março. Anualmente, a data escolhida para homenageá-lo é o primeiro domingo depois do Dia Mundial da Água (22 de março).

O analista de Meio Ambiente da Duke Energy, Luis Augusto Nogueira Perino, explica que, a cada ano, a Duke Energy coloca 1,5 milhão de exemplares de espécies nativas em variados pontos da Bacia do Paranapanema, contribuindo para a reposição do estoque pesqueiro e manutenção da biodiversidade. “O Rio Pardo é um rio limpo que faz parte da Bacia do Rio Paranapanema, sendo importante rota de migração para reprodução de peixes”, acrescenta.

O presidente da ONG Rio Pardo Vivo e encarregado de produção da Sabesp, Luiz Carlos Cavalchuki, enfatiza que a ação complementa as demais atividades desenvolvidas em prol da preservação do Rio Pardo. “É um recurso natural de grande importância para a nossa região, pois o rio é muito usado para lazer, irrigação da produção agrícola e abastecimento da cidade. Sendo assim, a soltura de peixes é mais uma ação de conscientização da comunidade quanto à necessidade de proteger a água, os peixes e o meio ambiente no geral”, declara.

Programação

A programação inicia às 15h, com uma palestra de educação ambiental sobre reprodução de peixes de espécies nativas em cativeiro para repovoamento. Nela, Perino explica os benefícios do repovoamento para o meio ambiente e as comunidades aos estudantes do ensino fundamental de oito escolas de Santa Cruz do Rio Pardo e região. O evento será na Associação Sabesp.

Em seguida, será apresentada uma peça teatral cujo objetivo é conscientizar sobre o uso racional da água. A atividade segue com a soltura dos 100 mil peixes jovens num ponto do Rio Pardo ao lado da Sabesp, com a interação de alunos, técnicos ambientais, parceiros e comunidade.

Sobre o Rio Pardo

De acordo com a ONG Rio Pardo Vivo, o Pardo nasce no município de Pardinho, atravessa Santa Cruz do Rio Pardo e mais 14 municípios do centro oeste paulista até desaguar na represa da usina hidrelétrica em Salto Grande, que é operada pela Duke Energy. Com 264,25 quilômetros de extensão, é o principal rio da Bacia Hidrográfica do Médio Paranapanema, que é constituída por 42 cidades que contribuem com afluentes. Suas águas são utilizadas no abastecimento doméstico, após tratamento convencional; proteção das comunidades aquáticas; recreação e esportes aquáticos; e criação natural e/ou intensiva (aquicultura) de espécies de peixes destinadas à alimentação.

A Duke Energy Brasil opera e administra oito usinas hidrelétricas instaladas ao longo do rio Paranapanema e duas pequenas centrais hidrelétricas no rio Sapucaí-Mirim, com um total de 2.274 megawatts (MW) de capacidade instalada. Anualmente, gera cerca de 12,5 milhões de MWh, energia suficiente para abastecer por um ano 6,5 milhões de famílias ou 26 milhões de habitantes. Com cerca de 325 empregados no país, a Duke Energy Brasil representa o maior investimento internacional da norte-americana Duke Energy Corp., a maior companhia de serviços públicos dos Estados Unidos.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Notícias Relacionadas

Comentar: DUKE ENERGY SOLTA 100 MIL PEIXES NO RIO PARDO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125