sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Família pede ajuda para pequeno Lucca Roberto da Silva

Família pede ajuda para pequeno Lucca Roberto da Silva
Crédito da foto Para Jivago França / JDS Comunicação
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

A família do pequeno Lucca Roberto da Silva de apenas 3 anos pede ajuda para conseguir arcar com o tratamento da Atrofia Muscular Espinhal (AME) tipo 1, com medicamentos importados que custará aproximadamente R$ 3 milhões.

Ame é uma doença grave que debilita o sistema nervoso até o ponto do paciente não conseguir se mover ou mesmo respirar. Lucca recebeu o diagnóstico da doença quando tinha pouco mais de sete meses. Ele ficou internado na UTI por 72 dias e depois foi para casa, onde recebe tratamento com equipe multidisciplinar e uma UTI domiciliar conseguida com ajuda de liminar judicial.

No fim do ano passado, a agência reguladora de remédios e alimentos nos EUA (FDA, na sigla em inglês) aprovou o primeiro remédio para combater a atrofia muscular espinhal (AME). O medicamento Spinraza, de acordo com estudos clínicos realizados, mostrou resultados significativos na parte motora, respiratória e deglutição, e pacientes que foram submetidos ao tratamento conseguem controle de tronco, cabeça, ficar de pé e já deram até os primeiros passos.

Ajude o pequeno Lucca. As doações podem ser feitas pelo site www.vakinha.com.br/vaquinha/ajude-o-lucca e por uma conta poupança no Banco do Brasil. A agência é 0100-7, conta poupança 42.724-1 em nome do próprio Lucca Roberto da Silva. Contato dos pais: (43) 99154-8442 ou (43) 99132-5699.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Jivago França / JDS Comunicação

Notícias Relacionadas

Comentar: Família pede ajuda para pequeno Lucca Roberto da Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596