Tuesday, 27 de October de 2020

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Jacarezinho: Médico acusa Santa Casa de Jacarezinho de omissão de socorro

Jacarezinho: Médico acusa Santa Casa de Jacarezinho de omissão de socorro
Photo Credit To Imagem Ilustrativa google imagens
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Plantonista não se conformou com a liberação de paciente em estado grave e registrou ocorrência na polícia.
O médico Alceu Bernardo Coqueiro de Oliveira Junior registrou um boletim de ocorrência no dia 3 porque a Santa Casa de Misericórdia de Jacarezinho (Norte Pioneiro) liberou a paciente Olga Sanchez da Silva, 68, que foi encaminhada por ambulância da cidade de Figueira (Norte Pioneiro), pelo sistema Vaga Zero para receber um antibiótico chamado Imipenem, indicado para o tratamento de infecções mistas.
Silva foi liberada pela direção do hospital contra a vontade do médico. “Entrei em contato com o plantão da clínica médica, que informou que teria que entrar em contato com o diretor clínico do hospital, pois o medicamento é muito caro (custa em torno de R$ 800). Ao informar o caso a esse diretor recebi um não como resposta. Eu disse que chamaria a polícia, pois não poderia me responsabilizar por mandar a paciente embora”, declarou Oliveira Junior. Neste momento, o médico diz ter sido dispensado pelo diretor.

Oliveira Junior acrescentou que não poderia liberar uma paciente acamada, sequelada de AVC (acidente vascular cerebral), com infecção de urina de repetição e com quadro de internação. “O fato da paciente ser acamada aumentaria ainda mais o risco da saúde dela”, afirmou.

“Nunca vivi um absurdo tão grande. O hospital satélite é de referência. O município de Jacarezinho tem obrigação para a região. E quando o paciente é encaminhado pelo sistema Vaga Zero, o hospital é obrigado a aceitar o paciente. Vem verba do governo estadual para isso”, acrescentou.

O Vaga Zero foi criado pela resolução 2110/2014 do Conselho Federal de Medicina e é um recurso essencial para garantir acesso imediato aos pacientes com risco de morte ou sofrimento intenso, devendo ser considerada como situação de exceção e não uma prática cotidiana na atenção às urgências. Por exigência legal, os hospitais de referência são obrigados a manter dois leitos para receber pacientes do sistema Vaga Zero.

A Secretaria de Estado da Saúde informa por meio de nota que todos os hospitais, sejam eles públicos ou filantrópicos, são submetidos à mesma legislação do SUS (Sistema Único de Saúde), que determina que não pode haver negativa de atendimento desde que o caso esteja dentro do perfil assistencial da instituição. “Quando regulado pelo complexo regulador da localidade, o hospital deve sim acolher a demanda e realizar a assistência necessária. Em alguns casos, o não atendimento pode configurar infração e resultar em processo administrativo pelo risco de prejuízo ao paciente”, diz a nota.

Após a recusa de atendimento na Santa Casa, a paciente Olga Sanchez da Silva retornou de ambulância a Figueira. Entretanto, seu quadro de saúde se agravou e ela teve de retornar a Jacarezinho e ser internada na UTI (unidade de terapia intensiva).

Consultado pela reportagem, o desembargador Miguel Kfouri Neto, autor dos livros “Responsabilidade Civil do Médico” e “Responsabilidade Civil dos Hospitais”, disse que o administrador do hospital pode ser processado, já que houve piora do quadro de saúde da paciente. “Isso caracteriza, em tese, omissão de socorro e o hospital pode ser responsabilizado”, apontou.

Segundo a secretária de Saúde de Figueira, Salete Westley de Paula, a paciente já está fora de perigo. “Ela ficou uma porção de dias por lá e já retornou ao município”, destacou.

A delegada 12ª SDP (Subdivisão Policial) de Jacarezinho, Caroline dos Santos Fernandes, não quis se pronunciar sobre o caso.
Vítor Ogawa

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Post source : Folha de Londrina - Vítor Ogawa Reportagem Local

Related posts

Comentar: Jacarezinho: Médico acusa Santa Casa de Jacarezinho de omissão de socorro

3 Comments

  1. Renata

    Um absurdo isso meu pai em junho desce ano ele teve um AVC e quem me garante que não foi por demora ou negligência… saúde zero

    Reply
    1. Renata

      Ele faleceu…muito triste com Jacarezinho essa cidade está esquecida..

      Reply
  2. Daiane

    Que absurdo!!! Sem comentários….

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

WhatsApp 596