Sunday, 20 de September de 2020

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Jacarezinho tem água fluoretada há 44 anos

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

O processo de fluoretação da água distribuída está presente em Jacarezinho desde o ano de 1971, ou seja, há 44 anos. Alguns anos antes, a Estação de Tratamento de Água do Tarumã, em Curitiba (1985) começou a adicionar flúor na água para o abastecimento público. Ainda hoje este é o método coletivo mais eficiente para o controle e prevenção da cárie dentária. 
A obrigatoriedade da fluoretação das águas de abastecimento em todo o território brasileiro só veio 16 anos depois, com a Lei Federal nº 6050, de 24 de maio de 1974. Segundo o Ministério da Saúde, o Paraná está em primeiro lugar na fluoretação da água tratada. A aplicação do produto possibilita, no mínimo, uma redução de 65% das cáries, desde que mantida a continuidade e a regularidade dos teores do flúor na água. Com o projeto de aplicação de flúor, a Sanepar cumpre seu papel de gestora da saúde pública. 

O bom entendimento entre a Sanepar e a Secretaria Estadual de Saúde na implantação e no monitoramento da fluoretação reduziu a incidência da cárie dentária e a melhorou a saúde bucal de milhões de paranaenses. “Hoje, o programa do Paraná é reconhecido em todo o País por sua excelência e continuidade”, afirma o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto. 
De acordo com o químico industrial e gerente da Sanepar Agenor Zarpelon, os investimentos mensais da Companhia na saúde bucal dos paranaenses são de aproximadamente R$ 700 mil. “Estes custos englobam os produtos químicos, a operacionalização para aplicar o flúor nas unidades de tratamento e as análises realizadas nas estações e na rede de distribuição”, diz. 
Zarpelon explica que a Sanepar realiza todos os meses cerca de 52 mil análises de flúor na água na saída das estações de tratamento. Essas análises atendem a Portaria nº 2914, do Ministério da Saúde. De toda a população atendida pela Sanepar, 99,26% recebem água fluoretada. 
EFICÁCIA

Na primeira década de fluoretação em Curitiba, uma pesquisa foi realizada com estudantes de 6 a 12 anos de idade, pelo Serviço de Higiene Dentária, do governo estadual. Verificou-se a redução, em média, de 39,4% do índice de Dentes Cariados, Perdidos e Obturados (CPO-D). 
Em 1992, uma nova avaliação foi feita pelo curso de pós-graduação em Odontologia Preventiva da Universidade Federal do Paraná, com alunos na faixa etária de 6 a 9 anos. O resultado mostrou que em três décadas e meia de aplicação contínua da fluoretação a redução de CPO-D chegou a 75,4%. 
O químico industrial da Sanepar destaca que, hoje, depois de 57 anos de aplicação de flúor, foi reduzido praticamente a zero o número de dentes cariados nas crianças nesta mesma faixa etária. “Olhando para trás, vemos a força de vontade dos técnicos da Companhia. O trabalho deles permitiu à Sanepar cumprir seu papel de agente da saúde e de qualidade de vida”, garantiu. 
HISTÓRIA

No Paraná, a fluoretação começou quando o abastecimento público era atendido pelo Departamento de Água e Esgoto (DAE), vinculado à Secretaria de Viação e Obras do Estado. A partir de 1972, os sistemas estaduais foram assumidos pela Sanepar. 

Entre 1962 e 1971, além da Capital, mais cinco cidades passaram a ter suas águas fluoretadas – Cornélio Procópio (1962), União da Vitória e Maringá (1969), Jacarezinho e Umuarama (1971). Até o final da década de 70, mais dez sistemas de abastecimento foram contemplados: Londrina (1972), São José dos Pinhais (1974), Telêmaco Borba (1977), Pinhais (1978), Primeiro de Maio, Paranavaí, Colombo e Bela Vista do Paraíso (1979). Nos anos 80 foram mais 148 sistemas e, dez anos depois, mais 207. Atualmente, a Sanepar mantém a fluoretação em 505 sistemas.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Post source : Marcos Junior com informações da AEN

Related posts

Comentar: Jacarezinho tem água fluoretada há 44 anos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

WhatsApp 596