domingo, 20 de outubro de 2019

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Morte de mãe prostituta motivou assassino em série no Norte do Paraná

Morte de mãe prostituta motivou assassino em série no Norte do Paraná
Crédito da foto Para Imagem Ilustrativa google imagens
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
A Polícia Civil apresentou oficialmente, na tarde de sexta-feira (31), um homem de 41 anos acusado de ter matado seis mulheres, entre 2010 e 2015, em Maringá. O suspeito confessou ser o autor da série de crimes, o último deles cometido no final de semana passado – o corpo de Mara Josiane dos Santos, de 36 anos, foi encontrado em uma plantação na segunda-feira (27).

A polícia chegou a Roneys Firmino Gomes na quinta-feira (30), quando ele ainda era apenas suspeito da morte de Mara Josiane. Durante os interrogatórios, Gomes admitiu o assassinato de outras cinco mulheres, todas garotas de programa.

De acordo com o delegado titular da Delegacia de Homicídios de Maringá, Diego Elias de Freitas, Gomes alegou, durante a confissão, que sua motivação seria um trauma de infância. Segundo o suspeito, sua mãe era prostituta e teria sido assassinada.

Em todos os crimes atribuídos a ele, Gomes usou as próprias mãos para esganar as mulheres até a morte. Depois, deixava os corpos, despidos, em um trecho específico da Estrada das Roseiras, particularmente sob uma torre que sustenta cabos de energia elétrica. Não há indícios de violência sexual em nenhum dos casos, mas em alguns deles o acusado chegava a manter relações antes de atacar a vítima.

Gomes também disse ao delegado que costumava rezar pela vítima e por si próprio, ajoelhado, antes de abandonar os corpos.

A Polícia Civil ainda investiga outros dois casos com características semelhantes que poderão ser atribuídos a Gomes.

 
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Bonde

Notícias Relacionadas

Comentar: Morte de mãe prostituta motivou assassino em série no Norte do Paraná

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596