quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Onda de assaltos amedronta comerciantes

Onda de assaltos amedronta comerciantes
Crédito da foto Para Antônio de Picolli
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Em apenas quatro dias foram registrados seis roubos a mão armada em Santo Antônio da Platina

Moradores e comerciantes estão assustados com a onda de assaltos que vem ocorrendo em Santo Antônio da Platina. Em apenas quatro dias, a Polícia Militar registrou seis roubos a mão armada na cidade. Temendo pela própria vida e também a dos funcionários, alguns empresários já admitem a possibilidade de encerrar as atividades por conta da violência.

Empunhando armas de fogo e com os rostos cobertos por gorros e capacetes, os assaltantes agem rápido, e em questão de minutos deixam os estabelecimentos levando dinheiro o dinheiro do caixa, documentos e objetos pessoais das vítimas. Além dos danos materiais, a grande maioria das pessoas carrega para o resto de suas vidas o trauma de um dia terem sido mantidas sob a mira de um revólver. Dano, muitas das vezes irreversível.

A frequência de roubos registrados em um posto de combustíveis na cidade chegou ao limite para o proprietário, que já fala em vender o comércio ou até mesmo encerrar as atividades. Com medo de se identificar e sofrer perseguições, o empresário diz que está desacreditado na Justiça, principalmente quando os autores dos roubos são adolescentes. “A minha empresa faz parte da rotina dos assaltantes. Muitos crimes eu já nem informo mais à polícia, pois quando pegam os suspeitos e eles são adolescentes a Justiça os coloca na rua. Infelizmente a impunidade alimenta esses marginais, que diante da fragilidade de nossas leis são capazes de atirar contra um trabalhador por causa de qualquer trocado no caixa da empresa. Tentei buscar várias formas de solução para o problema, mas os bandidos estão mais amparados. Vou colocar a empresa a venda, e se for o caso irei abaixar as portas do comércio”, desabafou.

Imagens de segurança das empresas recém roubadas revelam que os crimes não estão sendo praticados pelas mesmas pessoas, o que preocupa ainda mais as autoridades policiais. Dos seis crimes registrados pela PM na semana passada, quatro foram praticados por dois homens em uma moto, ambos usando capacete, um deles armado com um revólver. Já os outros dois assaltos foram cometidos por um homem alto, magro e de pele morena, que age com o rosto descoberto e faz menção de estar armado para trancar as vítimas no banheiro antes de praticar os roubos.

De acordo com delegado Tristão Antônio Borborema de Carvalho, titular 38ª Delegacia Regional de Polícia, alguns crimes já estão solucionados, e dois suspeitos já estão detidos. “Três dos últimos roubos ocorridos na cidade já estão solucionados. Os suspeitos foram reconhecidos pelas vítimas e já estão detidos. Trata-se de um adolescente apreendido com droga pela PM e um homem, o qual ainda não podemos divulgar a identidade para não atrapalhar as investigações. Quanto aos demais roubos, os investigadores estão trabalhando na identificação dos autores para o reconhecimento das vítimas e cumprimento de prisão. Muitos crimes estão sendo solucionados com a participação da população. É importante que as pessoas denunciem, mesmo que anonimamente, pois as identidades são mantidas em sigilo e a colaboração espontânea do cidadão é fundamental para concluirmos as investigações”, disse Tristão de Carvalho.

No dia 24 de abril, dois homens armados renderam os funcionários da Ótica e Relojoaria Tesouro, no calçadão de Santo Antônio da Platina, e fugiram levando mais de R$ 40 mil em jóias. Os suspeitos estavam bem vestidos e se passaram por clientes para assaltar o estabelecimento.
A ação dos criminosos foi registrada por câmeras de segurança da empresa e as imagens foram analisadas pelo Serviço de Inteligência da PM e investigadores da Polícia Civil. No entanto, os autores continuam sendo procurados pela polícia.

O comandante da 4ª Companhia, tenente Carlos Eduardo Neves informou que a Polícia Militar tem intensificando os trabalhos através de operações realizadas pela Rotam e monitoramentos pelo Serviço de Inteligência para coibir as ações criminosas no município.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Luiz Guilherme Bannwart

Notícias Relacionadas

Comentar: Onda de assaltos amedronta comerciantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125