sexta-feira, 15 de novembro de 2019

Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90
Cliente 728 x 90

Saúde confirma morte de criança de 10 anos por dengue em Nova Fátima

Saúde confirma morte de criança de 10 anos por dengue em Nova Fátima
Crédito da foto Para Imagem Ilsutrativa google imagens
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

O boletim semanal divulgado na terça-feira (2) pela Sesa (Secretaria da Saúde do Paraná) registra a morte de uma criança de 10 anos vítima da dengue. O caso é de Nova Fátima (33 Km de Cornélio Procópio). Agora, são 21 casos de morte confirmados por dengue no Paraná, de agosto do ano passado até agora. Na semana anterior eram 20 casos de óbitos confirmados.

São 1.374 novos casos confirmados de dengue pelo boletim semanal. No total, o Paraná soma 17.776 casos da doença.

Atualmente, são 81 municípios em epidemia. Esta situação é confirmada quando os municípios atingem incidência proporcional dede 300 casos por 100 mil habitantes. Os municípios que entraram para esta relação são: Campo Mourão, Terra Boa, Brasilândia do Sul, Ivaté, Perobal, Umuarama, Jussara, Paranavaí, Doutor Camargo e Ivatuba.

“Estes casos confirmados de dengue podem sofrer redução no inverno, isso é o esperado. Mas trata-se de um período muito curto, de no máximo três meses, e como já reafirmamos, não podemos nos descuidar, pois o Aedes é resistente. É preciso eliminar os criadouros e está é uma tarefa diária”, afirma a coordenadora da Vigilância Ambiental da Sesa, Ivana Belmonte.

A Sesa alerta a população: as medidas de prevenção contra a dengue devem seguir mesmo no inverno. “O mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença, diminui a circulação no período, mas, se os criadouros não forem eliminados, os ovos depositados podem permanecer intactos por meses e, quando a estação quente recomeçar, estes ovos vão eclodir, dando origem a novo ciclo do Aedes”, explica Belmonte.

Segundo a médica veterinária, a prevenção é a forma mais eficaz de se combater o mosquito. “É uma tarefa que depende muito da contribuição da população, pois mais de 60% dos criadouros estão nos quintais e dentro das residências, em recipientes que acumulam água parada”, complementa.

Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125
Post Topo 747 x 125

Fonte do post: Anuncifacil (Com informações da folha de Londrina)

Notícias Relacionadas

Comentar: Saúde confirma morte de criança de 10 anos por dengue em Nova Fátima

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp 596